sexo lindagirl camerahot

Conto erótico: mais uma fantasia com ela

Depois de um tempo sumido desta coluna, por ter me dedicado aos Momentos Marcantes, que são publicados toda sexta-feira neste Blog, e a outras frentes, uma fantasia intensa me fez voltar a escrever um conto erótico… tudo a seguir é inspirado em shows, chats e experiências vividas no CameraHot e na CasaHot.

Era julho. Linda, minha noiva, tinha acabado de fazer aniversário e o meu se aproximava.

Linda Girl
Linda Girl

Minha paixão por ela sempre foi avassaladora. Ela carrega a beleza no nome: olhos, sorriso, cabelos ao vento, longilínea, curvilínea, seios e tudo mais naturalmente desenhados em cores vivas e preparado no tacho do desejo.

Mas, além da sensualidade marcante, ela é uma mulher extraordinária, de brilho incomum, energia viva, inteligência, sagacidade e humor (às vezes duvidoso, rsrsrs). É um prazer estar em sua companhia, ainda que seja apenas para trocar olhares por alguns segundos.

Acrescente a tudo isso um ar de mistério, que sempre proporciona surpresas inesquecíveis. Já há alguns dias ela vem insinuando algumas coisas, me mostrando fotos sensuais de algumas amigas delas, sugerindo brincadeirinhas, só na base da provocação…

Naquela noite de julho, cheguei do trabalho e Linda já estava pronta. Vestido preto com brilho, parecendo cinza, salto alto para ficar maior que eu e perfume sedutor.

Antes que eu pudesse perguntar qualquer coisa, beijou-me a boca, mordendo meus lábios, me deu um tapa suave no rosto e sussurrou: “hoje é seu dia de sorte! Toma um banho e põe um terno para ficar bem gostosinho, porque nós vamos jantar fora e o prato será escolha minha”.

Fui tomar uma ducha com o pau ainda duro do beijo lascivo que ela me deu. Caprichei no trato, fiquei todo limpinho, aparei a barba, passei meu melhor perfume e escolhi aquele terno mais descolado que de vez em quando uso para sair à noite.

Voltei à sala e encontrei minha deusa monumental ao telefone com um sorriso arteiro. Desligou ele ao me ver, cheirou meu pescoço, fez cara de aprovação e me seguiu até o carro, sem dizer com quem falava ou o que estava aprontando…

Ao entrar no carro, perguntei qual o destino e ela respondeu: “a primeira parada será naquele restaurante charmoso do primeiro encontro”. Era relativamente perto. Comecei a dirigir atento à pista, mas sem desgrudar os olhos de Linda Girl. Que mulher espetacular!

O cheiro de sua pele já começava a me embriagar quando de repente comecei a sentir o toque da mão dela em minha coxa. Ela deslizava a mão suavemente da coxa para o centro. Meu pau ia ficando ereto e ela tirava a mão. Eu olhava para ela, que sorria cinicamente, e voltava a acariciar minha coxa… e chegamos ao restaurante.

Era impressionante como todos nos olhavam quando entrávamos no restaurante. Era como se dissessem “caramba, não é possível que essa cara tenha tanta sorte! Essa mulher é de outro planeta”! E é mesmo!

sexo lindagirl camerahot
Linda Girl

Era um restaurante elegante e badalado. No terraço de um hotel, com iluminação à meia-luz e som dançante. Enquanto aguardávamos uma mesa, sentamos um de frente para o outro em poltronas na sala de espera e tive a primeira surpresa da noite quando Linda cruzou e descruzou as pernas… ela estava sem calcinha! O calor começou a subir.

Linda Girl
“cruzou e descruzou as pernas…”

Sentamos à mesa, petiscamos um ceviche e umas iguarias japonesas, mas eu só consigo me lembrar do olhar paralisante de minha deusa e de sua perna roçando a minha por baixo dos panos. Saciada a fome, ela me puxou pela gravata até a pista de dança entre as mesas.

Eu a devorava com os olhos. Seu corpo se movendo ao som da música eletrônica e eu querendo todos os seus movimentos junto a meu corpo, mas num banquete de sexo e luxúria. Agarrei-a, beijei-a e comecei a percorrer suas curvas por cima do vestido. Ela virou de costas e passou a dançar esfregando seu bumbum redondo em minhas coxas, para sentir como eu estava animado.

Tirei o paletó e até hoje não sei onde ele está. Continuamos dançando, mas o clima começou a ficar impróprio. Decidimos sair do restaurante. Descemos o elevador aos beijos, entramos no carro, ela enfiou a mão em meu bolso, pegou meu celular, mexeu em alguma coisa, afixou-o no suporte veicular e disse simplesmente: “basta seguir a rota, nossa segunda parada será ainda melhor”!

Abri os vidros para deixar o ar fresco da noite entrar e tentei me concentrar na direção, mas vi que seria impossível. Ela voltou a colocar a mão em minha coxa, agora um pouco mais agressiva. “Vire à direita”, dizia a voz do GPS, mas o que eu sentia mesmo era a mão de Linda apertando meu pau por cima da calça. “Siga por 2km”, orientava o GPS, mas eu só sentia o zíper da minha calça abrindo.

Puxando meu pau pulsante para fora da calça, ela caiu de boca e começou a me chupar. No susto, pisei fundo no acelerador e não ouvi o GPS dizer “radar reportado à frente”. A boca de Linda era colossal! Conseguia engolir quase todo meu pau, lambuzando-o inteiro. Sua língua tocava minha glande e depois percorria toda a extensão dele. E voltava a pôr tudo na boca.

"... E voltava a pôr tudo na boca"
“… E voltava a pôr tudo na boca”

Depois de furar uns três semáforos, passar perto de atropelar um pedestre desavisado e quase gozar com a chupada, o GPS sinalizou “seu local está à direita”! Me lembrei que eu estava dirigindo, vi o portão de um casarão e fui entrando enquanto ela se recompunha…

Linda retocou o batom, ajeitou o cabelo e parecia novamente uma princesa. Eu estava com cara de assustado, já tinha perdido o paletó, o nó da gravata estava frouxo e eu suava para caramba. Eram a lady plena e o lorde acabado…

Saímos do carro, entramos no casarão.

O ambiente era mágico. O cheiro de tentação pairava no ar. As luzes acolhiam e aqueciam. As sombras instigavam. Havia mulheres belíssimas e logo percebi que elas comandavam.

Linda avançou na frente e eu seguia seu rastro. Cumprimentou algumas pessoas. Uma amiga a beijou com tesão e olhou para minha cara de susto. Estava tímido e ao mesmo tempo excitado. Um mundo novo se abria.

Chegamos à sala principal. Ampla, com alguns sofás, puffs e poltronas. Um casal se pegava gostoso em um dos cantos da sala, em pé, ele com as mãos no bumbum dela, com a saia já levantada, sob olhares atentos de outro casal num sofá.

De repente as luzes diminuíram e um foco luminoso apontou para o centro, onde havia uma barra de pole dance. E então um furacão entrou.

Eletrizante, ruiva, de trajes vermelhos feito uma heroína e com adagas na mão. Seios fartos e olhar penetrante. Sensualíssima!

Fiquei paralisado e Linda me jogou numa poltrona vazia: “Sente, assista e se delicie com Elektra Sexy”! E logo depois ela sentou no braço da poltrona, com suas pernas sobre as minhas e suas mãos enlaçando meu pescoço.

Elektra Sexy
Elektra Sexy

E começou o espetáculo.

Elektra dançava em volta da barra e percorria a sala com os olhos. Em seguida, passou a girar com a mão na barra, trançou suas pernas nela e começou a subir. Ia de um lado a outro girando. Trepava com pernas firmes naquele mastro, como se prendesse com elas seu objeto de maior desejo. Passei a me imaginar enroscado naquelas pernas, sentindo sua fragrância sedutora que a brisa levemente espalhava na sala.

E Elektra seguia seu espetáculo, girando, subindo, descendo e fitando a cada um com seu olhar de musa. Ela sabia que todos a desejavam. Então, com as pernas trancando seu corpo no alto, de cabeça para baixo, no ritmo da música envolvente, aproveitou a batida apoteótica e tirou seu top vermelho, exibindo seus seios redondos e volumosos, de mamilos pequenos e rosados!

Dava para sentir o tesão coletivo no ar!

Mas tinha mais. Descendo da barra, Elektra avançou na direção de Linda. Levantou-a da poltrona, passou as mãos dela por sua cintura e, num rápido movimento, fez Linda puxar sua saia. A ruiva eletrizante ficou só de calcinha.

Havia ar condicionado na sala, mas eu suava. E passei a transpirar ainda mais quando Elektra sentou no meu colo e começou a rebolar, enquanto acariciava os seios de Linda por cima do vestido.

Meu pau já latejava e eu comecei a ficar com medo de perder o controle, ainda mais quando Elektra, ainda rebolando em meu colo, puxou Linda para mais perto e começou a beijá-la com fogo e luxúria. Eu sentia minha deusa arder, pois suas mãos apertavam minhas coxas fortemente a cada investida ruiva.

Depois elas inverteram de posição. Linda sentou em meu colo e Elektra começou a esfregar seus seios suculentos no rosto dela enquanto ia baixando as alças do vestido de minha deusa, até seus seios de frescor natural ficassem à mostra para todos verem. Para todos verem, mas apenas para Elektra se deliciar.

A música foi mudando de ritmo. Elektra levantou Linda, beijou-a novamente, a centímetros de meu rosto. Depois olhou para minha loira, as duas sorriram e então Elektra me beijou. O perfume de sua boca era sensacional… e então Linda chegou e completou o beijo triplo. Meu coração parecia que ia pular do corpo, sair pela boca…

Enquanto nos beijávamos, eu podia acariciar as costas nuas da Linda Girl e o bumbum de Elektra Sexy, que fazia seus seios roçarem nossos peitos.

A música mudou novamente de tom, e Elektra foi saindo para finalizar seu show, mas minha boca não desgrudou os lábios de Linda. Meu tesão estava nas alturas. Eu queria mais.

Nos jogamos num sofá, ela afrouxou ainda mais minha gravata e começou a tirar minha camisa. Enquanto isso, Elektra chegava ao ponto alto da festa e tirava sua calcinha, revelando sua bocetinha lisinha, toda rosadinha…

Então a música parou, Elektra jogou sua calcinha sobre mim, as luzes diminuíram e ela sumiu da sala num piscar de olhos.

Será que eu estava tendo mais um sonho erótico? Não, não estava… eu conseguia sentir muito bem Linda desabotoando minha calça e enchendo suas mãos com meu pau duro e pulsante. Suas mãos divinas, macias e firmes, sabendo bem o que fazer…

Mesmo com a pouca luz da sala, era possível ver casais nos olhando e mulheres belíssimas atentas aos movimentos da Linda Girl. Era possível também ver sua cara de safada. Ela olhou para mim, cheirou a calcinha da ruiva, me deu um tapa na cara e falou com voz provocante: “Meu puto! Vadio, safado, cachorro! Ficou animadinho com a Elektra Sexy, né? Quer pegar ela, é? Ou que tal aquela branquinha de cabelos pretos que tanto nos olha ali no fundo”?

Era a chance perfeita de realizar uma fantasia antiga! O clima favorecia, Linda estava cheia de tesão, eu me vi muito excitado com tudo aquilo em minha volta. Mas descobri algo que nem imaginava antes de tudo isso e compartilhei meu pensamento com ela:

Elektra realmente é uma delícia e há outras mulheres espetaculares nesta festa. Mas o tesão que arde em mim é por você. Estou alucinado de paixão. Te amo, te desejo, te quero”!

Linda olhou para mim, sorriu e emendou: “Para de falar. Só vem! Me come gostoso”!

E me beijou ardentemente. Beijar Linda é encontrar o pecado e o caminho para o paraíso… e o caminho estava em minhas mãos.

Acariciando suas coxas, fui descendo a boca até encontrar seus seios e passei minha língua em volta de seus mamilos. Que delícia senti-los endurecer ainda mais entre meus lábios! Depois, com minhas mãos ainda em suas coxas, mas agora apertando firme, subi seu quadril até minha boca, levantei um pouco seu vestido e encaixei sua boceta na minha língua. Boceta lisinha e carnudinha…

"sorvendo cada gota de pecado..."
“sorvendo cada gota de pecado…”

Fui beijando e deslizando minha língua para abrir seus lábios e sugar seu mel direto da fonte. Pude sentir toda a delícia de sua boceta quente e úmida nas minhas papilas. Sorvendo cada gota de pecado, fui levando minha língua um pouco mais para cima, até que encontrei seu grelinho pequeno pedindo para ser chupado. Com lambidas circulares, rodeei seu clitóris e depois comecei a brincar com a ponta de minha língua em movimentos repetidos.

Ouvia Linda Girl gemer, até que ela não resistiu: “Quero gozar em seu pau, cachorro”!

Então ela tirou a boceta da minha boca, desceu novamente o quadril e encaixou-a no meu pau, rebolando lentamente! E ela sentia meu pau pulsar, fazendo suas veias roçarem em sua boceta por dentro. E por isso aumentava o ritmo…

Enquanto Linda cavalgava em meu pau, Elektra reapareceu nua, deu-lhe um beijo bem melado e sentou na outra ponta do sofá com seu love e começou a curti-lo. Acho que aquilo foi algum tipo de senha, porque Linda me pediu para comê-la de quatro. E logo descobri por quê. Enquanto eu penetrava minha deusa por trás, ela abriu as pernas de Elektra e começou a chupá-la…

Eu via Elektra gemendo e meu tesão só aumentava. Eu sabia que Linda fazia tudo isso para me provocar ainda mais. E eu estava a ponto de explodir!

Puxei Linda de volta pelos cabelos, joguei ela de costas para o chão, segurei suas coxas com as mãos e comecei a socar fundo. Com força, aumentando cada vez mais o ritmo.

Estávamos dominados pelo desejo, parecíamos estar numa outra dimensão. De repente todo o cenário sumiu e, para mim, só existia Linda, seu corpo escultural, sua boceta em meu pau e nossa vontade de devorar e ser devorado.

Ela fechou os olhos e começou a morder os lábios. Eu metia forte, com o corpo suado. Linda Girl gemia ainda mais. Deitei sobre ela, tomei sua boca em meus lábios e beijando-se intensamente fui socando mais, enquanto ela melava meu pau por dentro e se contraía apertando tudo…

Pouco tempo depois, já não havia mais controle… gozamos loucamente, no chão da sala, à vista de Elektra Sexy, seu macho e todas aquelas pessoas, desconhecidas, mas igualmente inebriadas de tesão, sexo e prazer.

Extasiado, eu olhava para Linda e simplesmente não acreditava na sorte que tinha… ela era minha. Minha princesa, minha leoa, minha deusa. Mais que um presente de aniversário… um presente para minha vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *